Cogumelos Mágicos podem reduzir casos de Violência Doméstica

Estudo observacional realizado pela Universidade de British Columbia, sugere que as drogas psicodélicas podem reduzir a violência doméstica cometida por homens, com problemas de abuso de substâncias.


O estudo descobriu que 42% dos reclusos adultos do sexo masculino dos Estados Unidos, que não tomam drogas psicodélicas foram presos no prazo de seis anos após a sua libertação, e uma taxa de 27% que tinham histórico do uso de LSD, Psilocibina (Cogumelos Mágicos) e MDMA (ecstasy) não retornaram a prisão.

 

Cogumelos Mágicos podem reduzir casos de Violência Doméstica

 

O estudo monitorou 302 detentos envolvidos em casos de Violência Doméstica por seis anos após terem sido libertados. Todos os observados tinham históricos de transtornos, por uso de substâncias.

“Embora não seja um ensaio clínico, este estudo, em contraste com atitudes predominantes que vê essas drogas como prejudiciais, atenta para o potencial de saúde pública da medicina psicodélica”, diz Prof. Zach Walsh, o co-diretor de Centro da UBC Okanagan, para o Avanço da Ciência Psicológica e Direito. "À medida que os tratamentos existentes para a violência por parceiro íntimo são insuficientes, temos de tomar novas perspectivas."

 

Cogumelos Mágicos podem reduzir casos de Violência Doméstica

Os hippies estiveram certos o tempo todo ?

O estudo é de coautoria da Universidade do Alabama. Prof. Peter Hendricks, que prevê que a psilocibina e afins poderiam revolucionar o campo da saúde mental.

“Embora nós estejamos tentando entender melhor como ou por que estas substâncias podem ser benéficas, uma breve explicação é que elas podem transformar a vida das pessoas, proporcionando experiências espirituais profundamente significativas isso faz com que destaquem o que mais importa”, diz Hendricks. “Muitas vezes, as pessoas são atingidas pela percepção de que comportando-se com compaixão e bondade para com os outros está no topo da lista do que importa.”

As pesquisas sobre os benefícios das drogas psicodélicas ocorreram nas décadas de 1950 à 1970, principalmente para tratar doença mental, que foi interrompido devido à reclassificação das drogas para uma substância controlada em meados da década de 1970. Nos últimos anos temos visto um ressurgimento do interesse na medicina psicodélica.

“As experiências de unidade, positividade, e transcendência que caracterizam a experiência psicodélica podem ser particularmente benéfica para os grupos que são frequentemente marginalizados e isolados, como os homens presos que participaram neste estudo”, diz Walsh.


 

O estudo foi publicado na semana passada no Journal of Psychopharmacology.